sexta-feira, 26 de novembro de 2010

“Antiga, mui Nobre, sempre Leal e Invicta”

Carla Romualdo

Um rio, a margem aprazível desse rio, um povoado de origem incerta, que haverá de dar lugar ao Portus Cale. Um burgo erguido sobre o agreste morro da Pena Ventosa, açoitado por um vento gélido e abençoado com uma vista deslumbrante. Estenderá as suas ruas até ao rio, tortuosas e labirínticas, plenas de vida e ruído.

Até ao final da Idade Média, o Porto haverá de assumir as características que ainda hoje associamos às suas gentes. Palco de contendas entre o clero, a nobreza e a burguesia, entre as suas muralhas haverá de impor-se a regra de permanência máxima de três dias a qualquer nobre que nela queira pernoitar.

O Porto apoiará incondicionalmente o Mestre de Avis na crise de 1383-1385 e será o berço do infante D. Henrique. Aos apelos patrióticos de apoio à armada de partida para a conquista de Ceuta responderá entregando a totalidade da carne disponível e ficando para si com as tripas, episódio que qualquer portuense vos contará com desenvoltura, jurando, “por esta luz que me alumia”, que foi assim, sem tirar nem pôr, e desprezando qualquer tentativa historiográfica de corrigir esta versão. Tripeiros somos, pois claro, e nesse epíteto resume-se um passado de generosidade e valentia.

"Infante D, Henrique na conquista de Ceuta", de Jorge Colaço ( Estação de S. Bento) - Fotografia de Nuno Tavares

A cidade medieval conhecerá um novo rosto com a intervenção dos Almadas, os grandes urbanistas da cidade, e terá na Torre dos Clérigos, de Nasoni, o seu mais luminoso farol.

Devastada pelas invasões napoleónicas, perderá centenas dos seus cidadãos na terrível tragédia da Ponte das Barcas (de que o nosso colaborador Luís Rocha falará hoje aqui).

Defensora dos ideais do liberalismo, suportará um terrível cerco de dois anos, que deixará a cidade destroçada. O Cerco do Porto (1832-34) valerá à cidade o título, ainda hoje ostentado com orgulho, de Invicta Cidade do Porto, e a homenagem de D. Pedro IV, cujo coração repousa na igreja da Lapa.

O Porto será a primeira cidade a eleger um deputado republicano, José Joaquim Rodrigues de Freitas, e nela eclodirá a Revolta de 31 de Janeiro de 1891, primeira tentativa de implantação de um regime republicano em Portugal (João Machado assina esta tarde no Estrolabio um artigo dedicado ao 31 de Janeiro).

Será palco, a 15 de Maio de 1958, em plena vigência do Estado Novo, de uma extraordinária recepção ao general Humberto Delgado, com a presença de cerca de 200 mil pessoas.

Multidão a aguardar General Humberto Delgado junto à Estação de S. Bento (Foto: www.portoantigo.pt)


As décadas seguintes têm sido marcadas pelo reconhecimento de um Património cultural único (que a UNESCO consagrou em 1996), pela modernização da cidade e da sua área metropolitana, e por uma crescente visibilidade do Porto na Europa e no mundo (nomeadamente em 2001, ano em que o Porto foi Capital Europeia da Cultura).

Mas esta é também ainda a cidade das “ilhas”, onde dezenas de pessoas partilham um núcleo habitacional sem condições mínimas, desprovido de saneamento básico, com uma única casa de banho para todos os moradores. Esta é a cidade dos bairros sociais como o Cerco do Porto ou o Aleixo, verdadeiros guetos onde vivem cerca de 20% dos habitantes do Porto e que têm sido devastados pelo consumo de drogas, pelo alcoolismo, pelo desemprego e a desagregação do tecido familiar. Nos últimos anos, os indicadores revelam que a pobreza no Porto ultrapassa a média nacional e que é neste distrito que se concentra o maior número de beneficiários do Rendimento Mínimo de Inserção. 

Bairro do Aleixo (Foto: iol.pt)

Esses dois rostos da cidade – o do cosmopolitismo e o da miséria – convivem diariamente, cruzam-se nas ruas do burgo, e são hoje o retrato do Porto, este Porto que nos exalta e nos comove, mas também nos envergonha e nos faz caminhar pelas ruas de má consciência, perante a miséria envergonhada da nossa gente e a ruína das casas, órfãs de quem as amava.

4 comentários:

  1. Bela apresentação "biográfica" do Porto, Carla. Um beijinho.

    ResponderEliminar
  2. lembra-me sempre aquela frase "que força é essa amigo que te faz andar de bem com os outros e de mal contigo".Um povo generoso, enérgico, valente e não sai dessa condição que tão bem descreves e, no entanto, grande parte dos governantes são portuenses, ou têm sido.

    ResponderEliminar
  3. Que tão melhor me deste a conhecer o Porto, Carla. E essa tão bela canção "Porto Sentido" de que tanto gosto e nunca me canso de ouvir.

    ResponderEliminar
  4. Um texto muito bem urdido, Carla, entre a glória e a vanglória do nosso Porto.

    ResponderEliminar