terça-feira, 30 de novembro de 2010

Fórum para a Liberdade de Educação




O Fórum para a Liberdade de Educação lança hoje o seu novo site, através do qual se pretende corresponder com mais eficácia e eficiência ao interesse que a nossa proposta de Serviço Público de Educação tem despertado junto da comunidade educativa e da opinião pública portuguesa em geral.

O novo site do FLE tem diversas funcionalidades que merecem a devida atenção.

Desde logo, procuraremos acompanhar as notícias mais importantes e as opiniões mais relevantes publicadas na comunicação social e na blogosfera – a consulta da rubrica DIÁRIO DA EDUCAÇÃO será uma excelente maneira de se manter actualizado relativamente ao desenvolvimento da liberdade de educação no nosso país e no estrangeiro.

As diversas actividades e conferências promovidas pelo FLE, assim como outros acontecimentos com relevância educativa, estarão devidamente assinaladas na AGENDA do site, proporcionando uma forma fácil e acessível de planear a sua própria agenda.

Finalmente, o site inclui a rubrica ESPAÇO FLE, onde se encontram os nossos artigos e opiniões, publicados na imprensa de referência, assim como as intervenções públicas que vamos tendo um pouco por todo o País.

O novo site do FLE será ainda um gerador de comunicação entre o FLE e os amigos do FLE, por via do envio periódico da nossa NEWSLETTER.

Confiamos que o nosso novo site do FLE constituirá um passo de gigante no cumprimento da missão a que o FLE se propôs em 2002, ano em que foi fundado por um conjunto de cidadãos empenhados na promoção da liberdade de educação em Portugal, para o qual contamos com o interesse e colaboração de todos.

Seja muito bem-vindo ao novo site do FLE em www.fle.pt.

Fernando Adão da Fonseca
Presidente
______________________________


FLE - Fórum Liberdade Educação

www.FLE.pt

Facebook FLE

Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos
Art.º 26º da Declaração Universal dos Direitos do Homem

22 comentários:

  1. Vamos seguir com toda a atenção.Do debate nasce uma escola melhor.

    ResponderEliminar
  2. A n ú n c i o

    Estrolabio Fan Club

    Da extrema esquerda à extrema direita

    De ultra católicos a ateístas

    Vai lá vai!

    ResponderEliminar
  3. eheheh, temos que fazer um esforço duplo para medir a "altura do sol" apropriada...

    ResponderEliminar
  4. eu cá não sou ultra católica. Sou simplesmente apenas uma entre muitas católicas ... vermelhas

    ResponderEliminar
  5. Maria. Tenho formação católica como quase todos os transmontanos da minha idade. Não sou.
    Fui camarada e sou amigo de muitos católicos progessistas e católicos revolucionários, de antes e depois do 25 de Abril. Mas esta FLE representa o sector mais reaccionário da nossa sociedade. Vamos ter uma discussão sobre a educação que não será o Chá das Cinco de que falava o Adão e o Paulo mas um arremesso de TEA PARTY com ou sem Sara Palin.
    É bem possível que lá pelo Natal o Estrolabio esteja a fazer a semana dos poemas ao Menino Jesus, a não ser que apareça alguém a boicotar o tema (como aconteceu esta semana), e ganhe o Pai Natal.
    Como esta FLE quer que os contribuintes lhes paguem as escolas onde não se dê educação sexual, estou a pensar discorrer sobre o tema " A Influência do Cunnilingus na Ensino Privado Católico".

    ResponderEliminar
  6. Meu caro Carlos Mesquita - Lê ou relê o nosso Editorial - que princípio enunciado estamos a violar? Sempre dissemos que não existia uma linha política no blogue. A tua liberdade de defenderes aquilo em que acreditas é irrestrita - a dos outros colaboradores também. Parece-me excessiva a preocupação por haver quem aqui defenda o ensino privado. As ideias defendem-se contrapondo ideias.
    O sistema em que vivemos, emanado da vontade popular expressa em votos, consagra o direito à iniciativa privada em todos os sectores de actividade. Eu tenho a esperança de que na próxima semana, com números e sem ironias de mau gosto, se possa chegar a conclusões. Conto com a tua colaboração.

    ResponderEliminar
  7. Se achas que a pedofilia é uma ironia de mau gosto eu ponho o nome do colégio e as pessoas envolvidas. Se também achas que isso nada tem a ver com a educação sexual, vale a pena discutir.
    Agora vou almoçar com uns amigos à beira mar.

    ResponderEliminar
  8. A escolha da escola é um direito fundamental :Não temos que aceitar escolas más só porque são estatais.Quanto à linha política e/ou religiosa da FLE não fazia ideia nenhuma, mas não me converte, tal como os ateístas.Entre nós, autores do estrolabio, é que tem que haver capacidade para vivermos com a diferença.

    ResponderEliminar
  9. Carlos, referes-te à Casa Pia? É que ao que se sabe a Casa Pia é uma escola estatal, paga pelo Estado e com funcionários publicos, mas não será esse argumento que utilizarei para reafirmar o direito das famílias poderem escolher a escola para os seus filhos.A escola reflecte a sociedade, não é por ser estatal ou privada que não tem pessaos com as qualidades e virtudes da socieadade. O que as diferencia é o mérito e os resultados. Nunca ninguem me ouvirá pedir que se feche uma escola estatal boa.

    ResponderEliminar
  10. Não Luís, referia-me a um colégio de freiras.
    A falta de educação sexual dos menores auxilia os abusadores e as abusadoras, seja no público seja no privado.
    A FLE quer que os contribuintes paguem as escolas onde não haja educação sexual e onde é difundida a ideologia religiosa. Entendo que podem levar o evangelo onde quiserem, mas não é o Estado que paga a viagem, o autocarro eo motorista.

    Isto era para a semana mas o ninho de cucos anda a abrir com antecedência não se percebe porquê.

    ResponderEliminar
  11. Meu caro amigo Carlos Mesquita, é evidente que, se isso for assim, é do teu lado que eu estou.

    ResponderEliminar
  12. Carlos, a ser assim estamos todos de acordo contigo.Para mim a questão resume-se ao seguinte. A escola responde às necessidades dos alunos? Obtem resultados? É decente, baseia-se na moral, na ética e no mérito? Se sim, não discuto se é estatal ou privada.

    ResponderEliminar
  13. Ó Luís não é assim tão fácil. Eu sei e muitos mais sabem que o peso religioso dos "bons costumes" berra muito mais alto e comanda o branqueamento das ideias e dos factos que acontecem dentro do ensino privado e mais ainda se é católico. Ai só se respira santidade e tudo que possa ser descoberto facilmente é torneado por outros. Factos em Casas do Gaiato, na Oficina de S.José e ... também conheço duas escolas de freiras que ... enfim vi e soube de coisas muito pouco abonatórias.
    Todos nós sabemos que o ensino privado e cooperativo quer subsídios e regalias. Como sentem que possa haver cortes de financiamento é preciso agitar as massas para que... a massa lhes continue a financiar os seus objectivos (não andam longe do que o Carlos disse aí em cima) ... senão algumas escolas terão que fechar como disse o presidente do CEP ao PR.

    A melhoria da qualidade do ensino público e o seu caminhar para a excelência só vai atrapalhar. Assim pede-se que as famílias protestem para receberem subsídios e assim... os clientes não fogem.

    ResponderEliminar
  14. E a estatal não é paga com o nosso dinheiro? que interessa isso? A escola é boa e fecha-se? por ser privada? é má e mantem-se por estatal?
    O que tu estás dizer é que essas crianças são as mais desprotegidas é por isso que são abusadas, não é por ser na católica ou por ser na estatal.A Casa Pia é estatal e v o que acontece lá. O professor na estatal é melhor que o dá privada? Um tem direito a emprego fixo, sem resultados, e o outro da privada não? Onde está a Justiça e a Democracia?
    Não te chegam as misérias que se passam nas empresas públicas? Estatais?São precisos mais sucateiros? (que é o único que andava a fazer pela vida todos os outros andavam a fazer pela conta bancária, mas é ele que está preso)

    ResponderEliminar
  15. Há uma coisa que eu quero afirmar aqui em voz alta: eu não estou indiscriminadamente com todas as diferenças. Também tive educação católica e, mesmo depois de me ter afastado da igreja, conheci muito bem, para satisfação da minha curiosidade,e ainda bem que conheci para saber do que estou a falar, essa facção ultramontana chamada Opus Dei que fiquei a detestar. Mas, se calhar, nem é preciso irmos tão longe porque, actualmente, dentro do ambiente "normal" das instituições religiosas passam-se coisas altamente condenáveis, como a própria Maria Monteiro confirma. Espero bem que o Estrolabio tenho um filtro natural, que somos nós todos, que não permita a intromissão dessas correntes.

    ResponderEliminar
  16. Luís, ainda me hás-de explicar qual é o crime de ter um emprego para toda a vida. O crime não será, pelo contrário,o despejo de milhares de pessoas a que se assiste a toda a hora porque o tal "serviço público",que devia ser entendido como trabalho em prol do desenvolvimento do país, de que tu tanto falas, não é, nem de longe nem de perto, o objectivo da maioria dos empresários privados?

    ResponderEliminar
  17. Augusta, o crime não é nenhum se eles percebessem que são os privilegiados do sistema e não andassem dia sim dia não a tentar convencer-nos do contrário.Quanto aos empresários (não falo dos empresários do regime) são os que criam emprego, exportam, e criam riqueza e arriscam o seu dinheiro.

    ResponderEliminar
  18. Augusta, e para perceberes melhor, vim agora do atlier do meu filho, que tirou o curso de arquitectura em Lisboa e na Itália, trabalhou num dos grandes ateliers mundiais na Holanda (olha da equipa que desenhou a Casa da Música)e não recebe um tostão há um ano. Pelo contrário, mete lá dinheiro todos os meses, para pagar impostos sobre lucros que não teve, pagar IVA sobre verbas que não recebeu, pagar segurança social de vencimentos que são processados mas não são pagos. É isto, Augusta, metade do país, recebe o vencimento sem que tenha de mostrar serviço ,faça ou não faça recebe sempre, a outra metade ( a malandra, a privada, os que fogem aos impostos)esses, dão ao pedal e só recebem se conseguirem vender, produzir ,facturar e cobrar.E, só após, pagarem os impostos com que se pagam as pensões e os vencimentos dos funcionários para toda a vida, é que recebem alguma coisa. Bem, se sobrar!

    ResponderEliminar
  19. Eles quem? Pelo que percebi, tu também foste funcionário público, tal como eu. Sentiste-te, por isso, a prejudicar alguém? Eu não. Antes pelo contrário: até fui bastante prejudicada. Mas deixemos isso. Quem inicou as maiores asneiras relacionadas com o sector público foi o Cavaco Silva. Parece que alguém quer apagar esses factos da memória para reabilitarem como presidente uma pessoa a quem, para além de professor de economia,que não tenho competência para avaliar, não reconheço nenhuma qualidade política nem cultural para representar o país.

    ResponderEliminar
  20. Eu também tenho um sobrinho que tem dois cursos e não tem emprego. E,como o teu filho e o meu sobrinho, há muitos jovens infelizmente. Mas não por causa "deles", dos malandros dos funcionários públicos que têm emprego para toda a vida, mas que, também, nunca fugiram aos impostos nem às outras contribuições sociais que têm que pagar.É por causa de outra espécie de malandros que continuam a fazer o que querem. Se me explicares quem são os "eles" a que te referes, talvez eu perceba.

    ResponderEliminar
  21. "Eles" são quem faz parte das corporações que, por serem muitos e poderosos tomaram por sua conta o estado e não deixam mexer uma "palha", e ainda por cima fazem greves porque como te digo, nunca perdem o vencimento e, muito menos, o emprego."Eles" são quem passam a vida a protestar a querererm mais, a descer a avenida ou em frente do ministério, que apresentam maus resultados, numa palavra quem tem condições que o restante da população não tem.Eu em 35 anos de trabalho fui funcionário público 7 anos e, desgraçadamente, vi qual é a diferença porque nos outros 28 anos trabalhei na privada. Deve ser por isso.Conheço a realidade!

    ResponderEliminar