terça-feira, 7 de setembro de 2010

Maratona Poética - Faltam duas horas

Se precisa de conhecer os desenvolvimentos da actualidade noticiosa... olhe, ligue para a CNN!

Ah, queria encharcar-se em Arte Poética? - temos aquilo de que precisa - quase uma centena de textos, vídeos e ilustrações - 24 horas de poesia.

Chega?

É logo a seguir à meia-noite.
__________________

4 comentários:

  1. LINDO, Adão! Maravilhoso...

    Dá-me o leite que tenho sede de ti/Mel que se espalha por nós/ Lembras do nosso último passeio? beijei-te sem pudor até pedires com um sorriso um intervalo/beija-me que tenho mel pelo corpo/ descansa tua boca no seio que te ofereço/azul é memória que tenho de nós/tão azul como o branco que agora espanto/ Dá-me leite, amor/ que tenho sede de nós.

    ResponderEliminar
  2. sendo assim,devagar vou-me calando, saudades da chuva vestindo o mar, febril me tomei por todos os seres, doente inventei o presente. Setembro molhado, cheiro da terra com gosto. na rua me dispo, lavo com a chuva meu corpo suado. ah, este Setembro que com ele me fico, sonhos passados nunca vividos. era assim a memória de tudo que lembro, minha vida por Setembro dos Desgarrados. Se te conto só agora, é porque a hora se fez hora e contigo e ele partilho tudo que lá foi acontecido. não percas tempo em procurar a verdade, não pares na mentira, pouco importa se o que conto existiu, fecha os olhos e sente: Bem abençoado quem nasceu, sofreu no parto a primeira dor da existência, no sangue materno a promessa de cor, no primeiro choro a certeza do riso. Cada desgarrado trouxe no rosto a marca do sofrimento, em Setembro fez dela o desenho da felicidade. Em cada homem o universo se exibe inteiro. Em Setembro se ama como o mar quando se espreguiça na areia. Se nada te pára, nem te comove, sente a chuva que te corre por dentro. Senta devagar, vê a semente por onde ela cresce. Se da tua mão nasce agora uma flor foi porque te deixaste adubar, neste Setembro que agora me abraça.

    ResponderEliminar