quarta-feira, 10 de novembro de 2010

(Comentário deslocado do devido lugar, ao texto da Carla "à despedida".

Adão Cruz


O Tempo caminho da razão no ventre das horas vazias, o sonho de não serem horas todas as horas sem tempo.

O tempo uma sinfonia de sonhos nascidos entre as asas e os dedos, pintando as cores da razão por entre sombras e medos.

O tempo a força do abrigo das mãos dadas com a haste frágil do trigo, caminho incerto sobre abismos de gestos e palavras sem regresso.

O tempo prisão de chegadas e partidas sem horas de liberdade, um poema crucificado nos labirintos da verdade.

O tempo uma guitarra chorando nos dedos da Primavera, um beijo sempre à espera entre os lábios do Verão.

O tempo horas de tudo e de nada na inquietude da mente, a liberdade acorrentada entre as velas e o vento.

O tempo uma paveia de esperanças nos braços da ilusão, um poema abandonado entre o sonho e a razão.

30 comentários:

  1. Só a Carla é que cria figuras como a Fatinha e o velho apaixonado, fala no tempo como se fosse uma despedida à porta de um café e dá origem a um texto tão bonito como esse aí do Adão.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Luis, pelos estímulos que tão agradavelmente nos tocam

    ResponderEliminar
  3. Obrigada, Luís, pelos comentários sempre atentos e generosos.
    E obrigada, Adão, por este belo poema, que na sua reflexão sobre o tempo vai muito, muito além do meu texto

    ResponderEliminar
  4. Na verdade é um poema que voa no tempo tão sem tempo. Belo poema.

    paxiano

    ResponderEliminar
  5. Ainda bem que este texto saíu porque eu também tenho um comentário deslocado ao texto da Carla. E o que eu te queria dizer ontem e não disse, Carla, é que, por muito que a capacidade de criação seja uma riqueza, por muito que a liberdade de expressão seja um valor primordial a defender a todo o custo, há textos que são assassinos, não compensam o nosso orgulho em escrevê-los: este teu e A Minha História. Hoje odeio-me por tê-la escrito.
    Com toda a amizade.

    ResponderEliminar
  6. Augusta, tens de explicar-me isso melhor.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. O poema é muito bonito. Já conhecia. Desconhecido era o quadro que deslumbrou o Orlando. Ele diz que o compra se lhe fizeres um bom preço.

    ResponderEliminar
  8. Carla, espero que tenhas ficado a perceber pelo mail. Um beijinho

    ResponderEliminar
  9. Vá, Adão, põe a leilão :) Eu gosto muito é dum que está em Espanha e já não há nada a fazer.

    ResponderEliminar
  10. Este também está em Espanha, em Ourense.

    ResponderEliminar
  11. Que raio! Vai tudo para os espanhois. És um traidor. Merecias ser atirado pela janela, como o outro.

    ResponderEliminar
  12. E na sexta feira vou levar outro a Pontevedra.

    ResponderEliminar
  13. Então vai e não voltes. Pede a nacionalidade castelhana.

    ResponderEliminar
  14. eheheh eu ando a ver de qual gosto para comprar um quadro, mas gosto de tantos. Na conversa da Carla e da Augusta não me meto, conversa de mulheres é um poço de vida, feliz do homem que as acompanha, conheço alguns e invejo-os profundamente.

    ResponderEliminar
  15. Luís, quem? Os homens que me acompanham a mim e à Carla? Essa agora! Como é que tu sabes isso? :))

    ResponderEliminar
  16. Augusta, já faltou menos, não para me nacionalizar castelhano mas galego.
    Luís, diz quais são, que eu também estou interessado.

    ResponderEliminar
  17. Pontevedra, Ourense...

    ... espanhóis, nacionalidade castelhana...

    Então, então, atenção e tento na língua
    trata-se de Galegos!

    "Pobre Galiza, não deves
    chamar-te nunca espanhola,
    que Espanha de ti se olvida
    quando és tu, ai!, tão formosa."
    Rosalia de Castro
    Cantares Galegos

    ResponderEliminar
  18. Meninos mal comportados nem sei o que vos responda.
    Ó Pedro, não te chega o espaço que tens no blog? Olha que eu gosto muito da Galiza, não me faças enjoá-la :-))

    ResponderEliminar
  19. Olha, Adão, tanto me faz. Já que levas os quadros todos daqui para fora, podes ir também. E aquele azul e verde do "Tu vens" também está em Espanha?

    ResponderEliminar
  20. Eu sei, Pedro, eu sei que é Galiza. Desculpa lá o lapso.

    ResponderEliminar
  21. Homens com quem as mulheres partilham as conversas , vocês perceberam muito bem. E, já agora, podemos saber mais alguma coisinha? Acontece-me sempre ficar à margem, olhem a minha depressão.

    ResponderEliminar
  22. Que coisinha é que queres saber, Luís? A minha conversa com a Carla passou-se nos bastidores precisamenbte para vocês não saberem nada. Ponto final. Não sejas curioso. Até amanhã.

    ResponderEliminar
  23. Augusta, esse a que te referes, que é apenas um pormenor, pertence aos que irão fazer parte da próxima exposição, cuja data e local ainda não estão completamente definidos.

    ResponderEliminar
  24. Caro Pedro Godinho, dou-te inteira razão. E eu que sou todo galego, adoro a Galiza, conheço toda a Galiza palmo a palmo e tenho imensos amigos de coração na Galiza. São gafes imperdoáveis, que procurarei não repetir. Um abraço

    ResponderEliminar
  25. Que valioso rol de comentários! Vale a pena a gente aventurar-se.

    ResponderEliminar
  26. Já agora podias fazer uma exposição cá em Lisboa.O Luís tinha ficado de tratar com a Associação 25 de Abril para o lançamento do livro. Agora podia fazer isso para uma exposição.

    ResponderEliminar
  27. o Adão e o Zé Magalhães quando estiverem interessados em fazer uma exposição na A25A é só dizerem.

    ResponderEliminar
  28. Só agora pude ler o teu poema, Adão. Adorei-o, como ao quadro.
    Mas essa de "pedires a nacionalidade galega" não lembra a ninguém... :o)
    (muito embora a Galiza seja quase a única parte dos vizinhos que eu gosto)

    ResponderEliminar