sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Fotopoemas II - In spiritu


Poema de Carlos Durão e
Fotografia de José Magalhães





Contemplo, de longe,
no escuro, sem ver,
com olhos, dormidos,
para comprender.

Espírito amigo,
permite-me estar
contigo, um instante,
por cima do mar.

Tu és como eu,
caminhas num sulco,
à beira do meu,
e buscas o mesmo:
Ensejo de amar.

Desejo-te sorte
no teu caminhar,
ao fim estaremos
juntinhos... na morte.

5 comentários:

  1. Belo poema, Carlos - estavas hesitante em nos mostrar a tua poesia e afinal sais-te com um trabalho tão bonito. Nós, os que recebemos no rosto o ar salgado do Atlântico, aprisionamos a poesia dentro de nós. Parabéns, xará. Aperta.

    ResponderEliminar
  2. Grande procura de visitas, mais uma razão para os parabéns.

    ResponderEliminar
  3. Um belo poema Carlos Durão. Obrigado.

    ResponderEliminar